Em meio a um contexto sociopolítico-econômico no qual imperam discussões e protestos contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016, aprovada em segundo turno na Câmara dos Deputados esta semana, será comemorado nesta sexta-feira (28) o Dia do Servidor Público. Hoje, 894 servidores integram o quadro da Univasf, composto por 532 docentes e 362 técnico-administrativos em educação (TAEs). Deste total, 83 servidores completaram uma década de Univasf este ano e participaram de grandes transformações ocorridas na instituição. O Blog do Servidor faz uma homenagem a todos os profissionais de seu quadro por meio do resgate de histórias de alguns destes servidores.

Neste grupo, estava o técnico em agropecuária Pettson Cavalcantti, chefe da Divisão de Cadastramento e Acompanhamento da Prefeitura Universitária. Pettson acompanhou o processo de desenvolvimento da Univasf e destaca que foi um momento marcante e um grande desafio. Na opinião dele, os servidores que ingressaram na instituição no concurso de 2006 podem ser considerados como “desbravadores”. “A Universidade conseguiu sair do papel e ter esse impulso significativo, graças a uma equipe competente e proativa que realmente vestiu a camisa da instituição”, afirma.

Ter acompanhado o processo de desenvolvimento da instituição é motivo de orgulho para o técnico em química Neldson Felipe Falcão Monte, coordenador dos Restaurantes Universitários. “Tive a oportunidade de presenciar e de participar da construção de toda a Universidade, fato este que muito me orgulha, pois enfrentamos muitas dificuldades”, conta Neldson, que também tomou posse em 2006.

Nestes dez anos na Univasf, a professora Ana Emília de Melo Queiroz, vice-coordenadora do Colegiado de Engenharia da Computação, ressalta que o aspecto social dos serviços prestados é mais visível nas organizações públicas. “Gosto de saber que meu trabalho pode melhorar a vida de outras pessoas. Sei que poderia fazer o mesmo na iniciativa privada, mas esse efeito, pelo menos para mim, é melhor percebido no serviço público”, destaca Ana Emília.

Os servidores presenciaram momentos que se tornaram marcantes em suas vidas. Neldson diz que a assinatura do termo de posse e integrar o projeto de extensão Museu Itinerante de Anatomia Animal desde sua criação foram momentos bastante significativos. “Levamos a diversas pessoas, de diversos estados brasileiros um pouco da Medicina Veterinária, através do nosso acervo e do conhecimento passado aos nossos estudantes sobre o cuidado com os animais”, lembra.

Já Ana Emília recorda a formatura da primeira turma de Engenharia da Computação. “Saber que os recebi como ingressantes, no primeiro período e que, naquele momento, eles iriam receber o grau de Engenheiros me deixou muito orgulhosa e satisfeita”, conta. Para ela, o serviço público favorece ao servidor desenvolver a carreira a partir do exercício em várias funções diferenciadas, além do exercício prático de sua cidadania.

Enquanto Ana Emília, Pettson e Neldson já contabilizam uma década de trabalho na Univasf, uma nova turma de servidores iniciou este ano sua trajetória no serviço público. Bernardo Curvelano Freire é um deles. O professor do Colegiado de Antropologia tomou posse na Univasf em agosto, motivado pela possibilidade de desenvolver suas habilidades de pesquisador. “É um ambiente propício para desenvolver projetos de pesquisa e dedicar-me ao ensino em um contexto que faz sentido”, comenta. Ele também destaca a relevância do exercício da cidadania para o servidor público. “Ser servidor significa dispor e estar disposto ao exercício da cidadania”, afirma.

Brena Souza